Sabe aquela aula de português que você dormia direto? Isso mesmo, aquela na qual ficava conversando com seus amigos ou de olho naquela garota firmeza? Você sabe sim, não me engane, aquela aula que você não prestou o mínimo de atenção nem deu valor àquele profissional que ganha uma miséria para te ensinar?

Pois bem, você achou que cursar fotografia iria te livrar do português? Se deu mal. Quero ver agora: Sem trapacear, sem buscar no Google, sem perguntar para ninguém responda: o que é Metonímia?

Aha! Te peguei. Aposto que não sabe ou que fritou o cérebro para chegar à resposta. Nem no mundo da fotografia você se deixará de topar com a boa e velha língua portuguesa…. para falar a verdade, nós pensamos em português, falamos em português e fotografamos em português, mas não vou falar sobre isso hoje.

De forma simples, metonímia é a parte pelo todo, ou seja, quando você usa uma palavra para expressar um conteúdo maior, como “eu leio Machado de Assis”, na verdade, você lê obras do Machado e não a pessoa de Machado (e se isso fosse possível, seria bem estranho).

E o que isso tem a ver com fotografia? Ora, existem alguns fotógrafos que fazem um trabalho tão intenso, tão impactante que acabam de tal forma se tornando uma referência ao ponto das pessoas copiarem seu estilo e o usarem em suas própria fotografias.

O fotógrafo Andrzej Dragan (esse aí embaixo) é polonês que se embrenhou na física, depois correu para a música, foi fotógrafo e hoje é professor de uma Universidade (me identifiquei muito com ele – risos) e tem uma forma muito peculiar de tratar seu trabalho. Eu trouxe algumas de suas imagens para você entender do que estou falando.

Existe uma foto que fiz parecida com essa. Dragan me inspirou

Existe uma foto que fiz parecida com essa. Dragan me inspirou

Suas fotos lembram um pouco o efeito HDR, do qual falaremos em outra oportunidade, mas a característica principal são os traços humanos: rugas, expressões, marcas e até os fios do cabelo. Muitas vezes essa edição das fotos é mal interpretada pelas pessoas, mas mesmo que o efeito HDR esteja presente nas imagens, não podemos negar o olhar apurado e as técnicas genuínas usadas.

 

 

 

 

 

É exatamente por essas fotos que hoje podemos ouvir um tal de Efeito Dragan, existe até um tutorial (clique aqui – em inglês) que ensina como imitar esse efeito no Photoshop e uma galeria na qual você pode baixar as fotos aqui.

Metonímia, a parte pelo todo. Sacou? Usamos as palavras Efeito Dragan para nos referir ao conjunto de fotos com uma característica específica. O site do fotógrafo é muito legal mesmo e bem feito e vale a pena ser visitado, ele cria uma atmosfera que acentua ainda mais nossa impressão de suas fotos (não se esqueça de ligar as caixas de som quando for visitá-lo).

Minha Preferida

Minha Preferida

 

Concordo plenamente com a autora do blog Fós Grafê  (clique aqui para conhecer o site do Fós Grafê) ao dizer que esta última imagem é a melhor de todas. A composição, cores e detalhes podem te fazer perder vários minutos em frente ao monitor. Cuidado (risos)

 

 

 

 

 

  • Bia

    Primeiro, obrigada pela parte que me toca (professores miseráveis). Segundo, ele vai no sentido contrário, não? AS pessoas querem esconder suas ruguinhas com o Photoshop e ele quer ressaltá-las!

    • Projeto Verena

      Acho que o interessa para ele são as marcas do tempo, as quais são vistas com preconceito pela socidade e combatidas com todos os renew possíveis da Avon

      Por nada (Professores miseráveis).

      • Bia

        Sim, eu entendi… mas eu ainda prefiro usar o avon 25+ a mostrar minhas rugas…

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.