Uma das coisas que sempre me atormentou e ainda me atormenta são abreviações. A juventude de hoje (falando assim até pareço ter 50 anos) cria siglas, símbolos e abrevia tudo o que escreve e para perceber isso basta acompanhar os comentários de alguma foto postada no Facebook… é como uma língua própria.

Você já viu aquelas letrinhas escritas na lente da sua câmera? Elas são siglas que variam desde VR, EOS, DX, HSM, SWD, AS-F a muitas outras e saber o que elas significam é importante no momento de comprar de uma nova lente ou para entender sua lente atual.

Eu já passei por isso e a solução mais simples que vejo as pessoas tomarem nesses caso em que não entendem o que estão comprando é simplesmente comprar a lente mais cara… afinal ela deve ser melhor, né? Não é bem assim.

Eu sei como é difícil procurar o equipamento certo e ter que decifrar o que significa as siglas das lentes que vem junto com uma câmera DSLR quando estamos começando a fotografar. As siglas muitas vezes possuem o mesmo significado, o problema é que cada fabricante tem a sua e aí começa a confusão.

De maneira geral e resumida as siglas mostram características especiais da lente, desde seu funcionamento até a qualidade dos elementos ópticos que estão dentro dela.

Existe um excesso de siglas na nomenclatura das lentes que confundem desde iniciantes até fotógrafos mais experientes, por isso o Verena criou esse guia matador que vai te ensinar como comprar a lente certa para você e te ensinar a entender o que está comprando!

lente

LENTES DA NIKON

ED (Extra Low Dispersion Glass)

Essa sigla nada mais é do que uma referência ao vidro ou cristal de alta qualidade que corrige a aberração cromática (aquela dispersão produzida por lentes que possuem diferentes índices de refração para diversos comprimentos de onda luminosa – traduzindo: um tipo de distorção de imagem e cor que ocorre quando os raios de luz de vários comprimentos de ondas passa através do vidro ótico e não convergem ou entram em foco no mesmo ponto)

Lentes ED possuem ganhos de nitidez e reprodução de cores, pois os elementos internos são de melhor qualidade (lentes feitas a partir de cálcio fluorite, porém, mais resistentes). São lentes mais caras produzidas pela Nikon e com benefícios das lentes feitas a partir de cálcio fluorite, porém, mais resistentes.

D (Distance)

As objetivas que possuem a letra “D” ao lado da máxima abertura utilizada pela objetiva como 50mm f/1.4D tem um anel de controle de abertura na própria objetiva.

G

A lente não possui anel de controle de abertura na lente, ou seja, é necessário fazer o controle de abertura no corpo da câmera.

D/G (Distance Information)

Essas lentes informam a distância entre a câmera e o que estamos fotografando, permitindo que o flash faça uma iluminação mais correta e equilibrada.

IF (Internal Focus)

Altera-se o foco sem alterar o comprimento da lente inclusive sem girar seus elementos. O movimento para focar acontecem dentro da lente, sem alteração de tamanho externo da objetiva. Geralmente lentes com IF são muito compactas.

*AF (Autofocus)

Essa sigla é clássica! Existe toda uma discussão em torno dessa sigla com relação ao modo como a Nikon e a Canon usam o autofoco em suas lentes.

As lentes AF foram lançadas em 1992 e conseguem fazer o foco automaticamente desde que a câmera possua motor de foco incorporado ao corpo. Objetivas AF não são indicadas para as DSLR de entrada, pois elas não possuem motor de foco dentro de si.

Isso pode ser ruim e pode ser bom: ruim porque esse motor faz muito barulho e pode atrapalhar quando for fazer filmes com sua DSLR e bom porque as lentes AF são mais baratas que as AF-S.

Somente DSLR’s para profissionais possuem motor de foco no corpo e podem usar lentes AF para ter foco automático, ou seja, ao segurarmos o disparador pela metade a câmera focaliza sozinha o objeto a ser fotografado. Entretanto, se quiser usar uma lente AF em uma DSLR de Entrada, fique à vontade, mas tenha consciência de que não fará foco automático.

AF-S (Autofocus Silent)

O sistema AF-S foi introduzido pela Nikon em 1996 e nada mais é do que o motor AF embutido na lente: o foco é feito por um motor silencioso dentro da lente ao invés de estar dentro da câmera. A lente AF-S faz o foco de forma silenciosa e mais rápida do que a lente AF.

Objetivas AF-S são as mais recomendadas para as DSLR de Entrada porque elas não possuem motor de foco interno no corpo da câmera. AF-S II é uma atualização do sistema AF-S com lente mais leves e mais compactas.

AF-I (Autofocus Integrated)

Objetivas AF-I são parecidas com as AF-S, porém menos silenciosas. Também são indicadas para uso nas DSLR de entrada. Até 1992 a Nikon só produzia sistemas de autofoco no corpo das câmeras, mas a partir daquele ano passou a produzir lentes com motor de foco dentro delas. Estas objetivas são equivalentes às USM da Canon.

AF-D (Autofocus Distance)

As objetivas Nikon tipo AF-D podem transmitir informações de distância para o corpo da câmera para ser usado pelo sistema de medição de matrix 3D da Nikon e pelo sistema de medição 3D dos flashes.

AF-DX

São objetivas autofoco Nikkor projetadas para SLR digitais Nikon com fator de corte de 1.5x (as famosas câmeras cropadas). Em geral elas não são utilizáveis em corpo Nikon 35mm.

AF-G

Lentes controladas eletronicamente, não apresentam anéis no tambor. Os ajustes são feitos pelo corpo da câmera, por isso não podem ser usados em câmeras mais antigas.

AI (Aperture Indexing)

Em 1977 a Nikon lançou uma série de objetivas que podiam comunicar a abertura da objetiva para o corpo da câmera através de um contato mecânico. A abertura é manual, mas é realizada ao girarmos um botão no corpo da câmera, e não pelo anel de abertura que outras lentes têm

As lentes AI-S foram lançadas em 1981 e nada mais são do que lentes AI com suporte para algumas automações a mais.

DC (Defocus Control)

Essa sigla referencia um tipo de lente que permite ao fotógrafo controlar o grau de aberração esférica no fundo ou à frente do assunto apenas girando o anel DC. Isso quer dizer que você pode controlar a área de desfoque em um retrato, por exemplo

CRC (Close Range Correction)

O CRC confere uma qualidade superior de focagem em distâncias próximas e quando a distância aumenta.

Os elementos interno da lente se movem a fim de aumentar a qualidade e nitidez do foco em fotografias de grande proximidade com o objeto fotografado.

PC (Perspective Control)

Como o próprio nome diz, lentes com essa tecnologia alteram o eixo lateral em relação ao plano do sensor, permitindo o reposicionamento da câmera para reduzir a convergência das linhas verticais.

Isso é muito útil em fotografias de arquitetura quando se fotografa um prédio de cima para baixo. Neste caso, as linhas laterais do prédio tendem a convergir para um ponto, ficando “tortas”, porém com o PC é possível mantê-las paralelas.

N (Nano Crystal Coat)

Mais uma sigla famosa: o nano cristal é um tratamento feito na superfície das lentes de revestimento que produz uma sensível redução da reflexão da luz que incide perpendicularmente ao eixo.

Ele reduz o efeito fantasma e as perdas causadas pelo flare quando se fotografa na contraluz por exemplo.

RF (Rear Focusing)

As lentes têm seus elementos óticos divididos em grupos específicos. Nas lentes RF, apenas os elementos traseiros se movem na focagem, aumentando a velocidade da operação de auto-foco e suavidade.

*VR (Vibration Reduction)

Outra sigla famosíssima. O VR foi uma inovação óptica que minimiza o “treme treme” da câmera (ou do fotógrafo que a segura) como se ele estivesse usando 3 pontos a mais de velocidade.

A lente identifica o tremor e, através de motores internos, corrige isso, permitindo fotos mais nítidas. É muito útil quando você for fotografar em ambientes escuros

A versão VRII pode equivaler até 4 pontos gerando imagens muito mais estáveis

M/A (Manual/Automatic)

Sempre teve dúvidas nessa sigla, não é mesmo? Essa nomenclatura é dada para a chave que troca o modo Manual de foco para o modo Automático de foco. Tudo bem rápido e simples.

DX (Crop)

São lentes exclusivamente desenhadas para câmeras digitais SLR da Nikon, levando em consideração seu fator de corte.

As lentes DX são projetadas para a luz se enquadrar com mais perfeição ao sensor da câmera. Por isso, elas não podem ser usadas em câmeras fullframe

FX (Fullframe)

São lentes projetadas para frames de 35mm ou as chamadas Fullframe que explico melhor em um artigo dedicado.

lente

LENTES DA CANON

STM (Stepping Motor)

O novo sistema criado pela Canon e anunciado em junho de 2012. A ideia é implementar uma melhoria no foco quando utilizado o modo vídeo ou no modo Live View, por permitir um autofoco mais suave e silencioso.

TS-E (Tilt Shift Lens)

Esqueça por um momento aquela técnica de mesmo nome que as lentes TS. Objetivas TS permite controlar o ângulo que estará entre os planos que limitam a profundidade de campo.

Isso quer dizer, trocando em miúdos, que ela serve para “desentortar” linhas convergentes quando não se fotografa no mesmo plano do assunto como acontece com fotos de edifícios olhando de baixo para cima onde as linhas paralelas convergem para o centro da imagem.

USM (Ultrasonic Motor)

Lentes com essa tecnologia possuem motores que funcionam pelo princípio de movimento induzido por vibração de alta frequência para criar o autofoco de forma rápida e silenciosa.

Grande parte das objetivas USM é da linha L, mas a que não pertencem a ela são identificadas por uma faixa (anel – ring) dourada no fim do corpo.

L (Low-Dispersion, segundo a Canon ou Luxury, segundo os canonzeiros)

O segundo nome já diz tudo. As lentes L são objetivas construídas com os melhores elementos, tratamento apocromático e anti-reflexivo e cristais UD, S-UD ou fluorita.

Elas são identificadas por uma faixa vermelha no final do corpo da lente e muitas são feitas na cor branca para mantê-las mais frias no sol.

IS (Image Stabilization)

Este é um sistema criado pela Canon que permite a lente compensar pequenos movimentos da câmera. As lentes IS possuem sensores giroscópicos que detectam movimentos e pequenos motores que alteram fisicamente um elemento ótico ou um grupo de elementos para compensar adequadamente o movimento. Ou seja: ela te ajuda na tremedeira das mãos e nas fotos com baixa luminosidade.

EOS (Electro-Optical System)

Essa sigla com certeza você já cansou de ver. EOS é a designação que a Canon usa para suas SLR lançadas a partir de 1987. As objetivas EOS são controladas eletronicamente e não possuem nenhum dispositivo mecânico para foco ou ajuste de abertura.

Todos os ajustes são feitos por motores construídos na objetiva e não no corpo da câmera gerando lentes mais caras e corpos mais baratos.

EF (Electro Focus)

Nome dado ao tipo de transmissão de informações da lente para o corpo da câmera. Trata-se de um sistema eletrônico criado em 1987 para as câmeras EOS e que só funciona dentro da linha EOS por terem dimensões específicas (diâmetro interno 54mm e externo de 65mm).

Este tipo de lente pode ser usado tanto em câmeras crops quanto câmeras Fullframe.

EF-S (Electro Focus Short Back Focus)

Uma variação das lentes EF para o sistema EOS, as EF-S são projetadas para serem usadas apenas com câmeras de sensores APS-C. Essas lentes foram projetadas para sensores menores que o frame de 35mm, por isso, não podem ser utilizadas em câmeras full frame.

DO (Diffractive Optics)

Indo direto ao ponto: a vantagem das objetivas DO é que elas podem ser feitas menores e mais leves do que as objetivas normais. A desvantagem é que elas são muito caras.

Objetivas DO são identificáveis pelo anel verde claro impresso ao redor do final do corpo da objetiva e geram imagens de alta qualidade com altos níveis de resolução e contrastes, comparável às objetivas da série L.

UD (Ultra Low-Dispersion Glass)

Objetivas fabricadas com vidros UD tem um índice de refração de luz menor do que as de vidro comum. Tais elementos são normalmente usados para corrigir a aberração cromática.

FD (Manual Focus)

Sistema manual de objetivas da Canon mais utilizado nos anos 70 e 80. Essas objetivas usam um sistema alavancas e pinos mecânicos para transmitir informações de abertura para o corpo da câmera. Não podem ser usadas diretamente em corpos de câmeras da linha EOS, somente se utilizado adaptador próprio.

MP-E (Macro Photographic-EOS)

Essa sigla indica lentes dedicadas a macrofotografia, sendo o “E” da designação relativa ao sistema EOS, em contrapartida ao antigo sistema FD que também tinha objetivas macro dedicadas.

lente

LENTES DA SIGMA

ASP (Aspherical Lenses)

As lentes asféricas permitem uma performance melhorada, tendo menos elementos óticos em seu interior. Isso resulta em maior qualidade de imagem e uma lente mais compacta.

Elas são ótimas, pois diminuem problemas comuns a grande-angulares e zooms, como flares e distorções nas bordas.

APO (Apochromatic lenses)

Essas lentes são construídas com um cristal ótico SLD (Special Low Dispersion – Baixa Dispersão Especial), que reduz a distorção de cores nos elementos fotografados, aumentando a fidelidade e qualidade das imagens.

Os cristais comum costumam alterar o comprimento de onda das luzes que são registradas pela câmera.

OS (Optical Stabilizer)

Esse sistema possui um mecanismo que compensa a vibração da câmera quando o fotógrafo a segura, reduzindo os riscos de fotos tremidas. Dois pequenos sensores dentro da lente identificam essa vibração e a compensam. O sistema OS pode compensar de 2 a 3 f/stops abaixo da velocidade recomendada.

EX (Excelence Lens)

São lentes de melhor qualidade ótica e melhor acabamento externo, sendo mais resistentes e robustas. São a linha mais profissional da marca.

HSM (Hyper-Sonic Motor)

Lentes recomendadas para corpos Nikon que não possuem motor de foco embutido. Utiliza um motor de ondas hipersônicas para focagem automática, fazendo do processo mais rápido e silencioso.

RF (Rear Focos)

As lentes RF estão equipadas com um sistema que move o grupo traseiro de lentes para um foco rápido e silencioso. Nas focagens tradicionais, todo o conjunto de lentes, ou só o primeiro conjunto se movem, alterando o comprimento da lente.

No sistema traseiro, o tambor da lente mantém o mesmo tamanho. Esse sistema melhora bastante a capacidade de close-ups em lentes macro, além de realçar o efeito flutuante em grande-angulares.

DG (DG lens for Digital/Analogue)

São lentes desenvolvidas para câmeras digitais, mas podendo ser utilizadas em tradicionais. Corrige distorções e aberrações das fotos, que ficam muito evidentes em câmeras digitais.

Essas lentes eliminam flares e fantasmas, além de minimizar bastante a vinhetagem (aquela “escuridão” que aparece nas bordas da foto).

DC (DG lens for Digital)

As lentes DC foram feitas para se ajustarem aos sensores APS-C das câmeras digitais com fator de corte. Não podem ser usadas em câmeras 35mm analógicas ou Full Frame.

FS (Floating System)

O sistema flutuante controla o foco movendo os diferentes grupos de lente em posições diferenciadas, diminuindo a distância do telescópio e a flutuação da aberração em diversas distâncias de disparo.

Por ser bastante eficiente em lentes macro e grande angulares, esse sistema é encontrado nas lentes macro 50mm F2.8 EX DG e na grande angular 28mm F1.8 EX DG Aspherical macro.

DF (Dual Focus)

Esse sistema permite a manipulação fácil e exata da lente e a correção do foco automático de forma manual. Ele desembaraça a ligação entre o mecanismo de focagem interno e o anel de focagem externo, quando o anel está na posição AF.

DL (Deluxe)

Lentes com acabamento especial – inclusive no preço.

UC (Ultra Compact)

Lentes leves e pequenas, que facilitam o transporte e manejo.

lente

LENTES DA OLYMPUS

ED (Extra-Low Dispersion Glass)

Todas as lentes Olympus, exceto as Crummiest, possuem o ED. É um dos elementos de maior qualidade, e mais caros, de uma lente, uma vez que reduz a aberração cromática, mantendo as cores mais fiéis.

Super ED (Super Extra-Low Dispersion Glas)

A Olympus não dá detalhes dessa tecnologia, mas é uma versão mais nova e eficaz da ED, distorcendo ainda menos as cores das fotografias.

SWD (Supersonic Wave Drive)

As lentes SWD possuem um motor que contribuiu para tornar o auto-foco mais rápido e silencioso. Funciona como o USM da Canon ou AF-S da Nikon.

OM (Manual focus)

São as lentes do sistema de filme 35mm da Olympus, manuais. Só operam em corpos modernos através do adaptador MF-1 OM.

Super ED (Super Extra-Low Dispersion Glas)

Seria uma versão mais nova e eficaz da ED, distorcendo ainda menos as cores das fotografias.

SWD (Supersonic Wave Drive)

Funciona como o USM da Canon ou AF-S da Nikon.

lente

LENTES DA PENTAX

DA

Lentes projetadas exclusivamente para as câmeras digitais. Nelas, o fotógrafo muda de focagem automática para manual num simples giro do anel de foco.

FA

Série de lentes de auto-foco compatíveis com sistema de filme 35mm e com corpos de câmeras digitais.

FA-J

Linha de lentes de auto-foco mais baratas, sem anel de abertura. A abertura dessas lentes só é controlada eletronicamente.

A

Antigas lentes da Pentax de foco manual

AL

Lente mais leve e compacta, tem menos elementos óticos em seu interior, distorcendo menos as bordas.

SP (Super Protect)

Lentes SP possuem um elemento extra de proteção em sua superfície, que repele poeira, água e gordura. Assim, fica mais fácil limpar a lente.

ED (Extra-Low Dispersion)

Elementos mais caros, mas que permitem que a lente tenha uma menor dispersão de cores nas fotos.

IF (Internal Focusing)

A lente não muda seu tamanho durante a focagem. O foco é realizado através da movimentação dos elementos internos da lente.

SDM (Supersonic Drive Motor)

A focagem automática trabalha de forma mais rápida, facilitando a comutação entre os focos manual e automático. É o equivalente da Pentax para as lentes USM da Canon.

DR (Dust Removal)

O sensor CDD da câmera treme, para que a poeira e as partículas de sujeira não fiquem em sua superfície.

lente

LENTES DA SONY

MF (Manual Focus)

Lentes antigas da Minolta, com apenas foco manual. Para operar nos corpos Sony Alpha, precisam de adaptadores.

MD (Minimum Diaphragm)

Essas lentes têm uma aba para indicar sua abertura mínima.

ED (Extra-Low Dispersion Glass)

Cristal especial com baixa dispersão de cor, aumentando a qualidade das fotos.

IF (Internal Focusing)

O foco é realizado dentro da lente, sem alterar o comprimento de seu tambor.

SSM (Supersonic Wave Drive)

Semelhante ao USM da Canon ou AF-S da Nikon, as lentes SSM têm um motor que realiza o auto-foco.

ADI (Advanced Distance Integration)

O sistema ADI está presente desde a Alpha A100, realizando a medição integrada para flashs. Essa medição é mais avançada que a TTL, realizada pelas lentes, determinando a potência do flash sem a necessidade de um pré-flash para medir a exposição apropriada.

DT

Lentes Sony projetadas para cobrir a superfície APS-C, por isso não podem ser usadas em câmeras full-frame ou de filme 35mm. Elas têm a vantagem de ser mais compactas e leves.

G (Golden)

Lentes de maior qualidade para câmeras Sony Minolta, sendo comparáveis às lente L da Canon. São as mais resistentes, com maiores aberturas e elementos de baixa dispersão de luz, realizando fotos mais fiéis às cores e formas.

T (Treatment)

Revestimento anti-reflexivo desenvolvido pela Carl Zeiss nos anos 1970. Ela permite uma maior transmissão de luz, reduzindo reflexões dentro da objetiva. Todas as lentes de SLR Digitais possuem revestimentos semelhantes

APO (Apochromatic Treatment)

Tecnologia apocromática das lentes sony, reduzindo a distorção de cores nas imagens.

HS (Alta Velocidade)

Presente em algumas lentes G, que realizam foco mais rápido, mesmo não tendo o motor piezelétrico, das SSM.

lente

LENTES DA TAMRON

AF (Auto Focus)

A lente da câmera realiza o foco automaticamente, quando o fotógrafo pressiona disparador até a metade.

SP (High-Performance Specifications)

Realiza fotos com melhor correção de cores e maior nitidez. São similares às lentes ED da Nikon e EX da Sigma.

DI (Digitally Integrated Design)

Lentes adaptadas para SLRs digitais, melhornado a distribuição de luz no sensor ou fotograma. Podem ser usadas em corpos 35mm e full-frame.

DI-II (Digitally Integrated Design II)

São lentes desenvolvidas exclusivamente para SLR digitais, não podendo ser usada em câmeras Full Frame ou de filme 35mm, por causa do fator de corte.

IF (Internal Focusing)

Essas lentes realizam a focagem sem precisar alterar seu tamanho. Permite uma lente mais leve e compacta, uma vez que o foco é realizado pela movimentação dos elementos óticos dentro do barril.

ASL (Aspherical)

Lentes asféricas têm menor distorção nas bordas da lente e melhor compensação das aberrações asféricas. Além disso, tem menos elementos dentro do barril deixando a lente mais leve.

LD (Low Dispersion)

Garante melhor qualidade da imagem, diminuindo a falta de nitidez, especialmente em focagens próximas nas tele-objetivas e lentes com design convencional.

AD (Anomalous Dispersion)

As lentes possuem um tratamento especial que diminui a distorção das cores captadas pelas bordas da lente. Funciona especialmente em grande angulares e lentes de ângulos convencionais.

XR (Extra Refractive Index Glass)

Além de deixar as lentes mais leves e compactas, reduz diversas aberrações para o mínimo possível. Ela melhora a performance da imagem ao mesmo tempo que diminui a quantidade de elementos dentro do barril da lente.

VC (Vibration Compensation)

Funciona como o VR da Nikon ou IS da Canon. Sensores identificam o tremor na lente na hora da foto e pequenos motores estabilizam a imagem, aumentando a nitidez em fotos de baixa velocidade.

BIM (Built-In Motor for Nikon Cameras)

Equivalentes às lentes AF-S da Nikon ou HSM da Sigma, com um motor interno de auto-foco. Podem ser usadas em câmeras sem motor de auto-foco, como D40, D40X, D60, D3000, D3100, D5000, D5100, entre outras.

FEC (Filter Effect Control)

É um acessório nas lentes Tamrom que é encaixado na boca da objetiva, permitindo o uso de filtros de efeitos. Muito útil para filtros degradês, cross-screen e multi-imagem, entre outros.

ZL (Zoom-Lock Mechanism)

Trava que evita que o barril da lente deslize para frente, quando é transportada na câmera.

A/M (AF/MF Switchover Mechanism)

Lentes equipadas com um mecanismo de troca de foco automático para manual, com apenas um toque num botão, semelhante às lentes da Nikon e Canon.

LENTES DA TOKINA

AS (Aspherical Optics)

Em seu design óptico, a lente oferece elementos asféricos, que eliminam anomalias e outras distorções na imagem.

F&R (Front & Rear Aspherical)

O elemento asférico frontal possui 50mm e o traseiro, tem 20mm, melhorando a luminosidade das bordas e corrigindo aberrações esféricas

SD (Super Low Dispersion)

As lentes Tokina SD possuem elementos especiais diminuindo as distorções de cor nas fotos.

HLD (High-refraction, Low Dispersion)

Lentes grande angulares e zoom com maior qualidade dos elementos óticos. Possuem alta refração e baixa dispersão de luz em seus elementos.

MC (Multi-Coating)

Tecnologia desenvolvida pela Tokina que reveste os elementos óticos, garantindo menos reflexão nas lentes, diminuindo o efeito do Flare.

FE (Floating Element System)

Todos os pontos entre a distância mínima de foco e o infinito operam rapidamente, corrigindo o astigmatismo na lente.

IF (Internal Focus System)

Os elementos óticos se movem dentro da lente, sem alterar seu tamanho. Isso aumenta a velocidade da focalização, altera menos o centro de gravidade e garante lentes menores.

IRF (Internal Rear Focus System)

Aumenta o proveito do foco em lentes teleobjetivas com mais de 300mm movendo apenas os elementos traseiros da lente, na hora da focalização.

FC (Focus Clutch Mechanism)

Permite que o fotógrafo faça a focagem manual, mesmo quando a função de auto-foco da lente está ativada. O anel de focagem fica livre.

One Touch FC (One Touch Focus Clutch Mechanism)

Com apenas um toque, o fotógrafo pode mudar da função de auto-foco para foco manual.

Como comprar a lente certa e entender o que está comprando

O mais importante é de fato entender todas as especificações da lente que deseja comprar ou da lente que tem no seu set. Somente dessa forma você poderá usar todo o potencial que ela pode oferecer.

Certamente você conseguirá comprar a lente certa se observar o que as siglas querem dizer e como elas podem impactar e modificar sua fotografia.

São muitas siglas e muitas características, mas tenha em mente seu orçamento e adquira a melhor lente que ele pode comprar. Não adianta querer as características X e Y se seu dinheiro não pode comprar.

Procure trabalhar dentro da sua realidade não só na questão das lentes como das câmeras. Comprar a câmera certa e a lente certa são essenciais para começar bem na fotografia, afinal não tem nada mais desastroso do que usar o equipamento errado.

Essas são algumas siglas que podem te ajudar na escolha da lente perfeita. A lista não contempla todas as abreviações e ainda pode crescer no futuro, mas já deve esclarecer alguns significados.

  • Carol Carvalho

    Olá entrei na página pq estou com muitas dúvidas a respeito de duas lentes que tenho, na verdade estou vendendo e pessoas me perguntam para qual câmera serve e não sei explicar pfv gostaria de uma ajuda.
    Lente Tamron SP Di Af 90mm 1:2.8 1:1 macro
    Lente Nikon Dx AF-s micro 40mm 1:2.8 g
    Obrigado

    • Oi, Carol.

      A Nikon 40mm serve para qualquer câmera da Nikon. Quanto a Tamron 90mm precisa verificar no manual qual a compatibilidade dela

  • Olá, Ana.

    Isso mesmo… se quer uma distância focal de aproximadamente 50mm em uma câmera crop vai ter que usar a 35mm.

    A 35mm DX é sim compatível com a D3100. Se você entendeu o que escrevi neste artigo, deve se lembrar que DX não “aproxima mais a imagem”… DX significa apenas que ela é uma lente para câmeras crops.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.