Nikon anuncia um upgrade relevante com a D7500

A indústria de câmeras fotográfica como um todo está passando por problemas e baixas vendas sendo a Nikon uma grandes empresas a sofrer bastante com isso, mas nem por isso ela vai deixar de lutar.

A sucessora da D7200 pulou dois números talvez para mostrar que houve de fato um grande salto de qualidade na série D7x00 aproximando o modelo da irmã maior, D500, a qual serviu de base para os upgrades. Aliás… a D7200 sai barato na Compact Câmeras, loja parceira do Verena com desconto adicional para leitores do site.

As novidades ficam por conta do sensor APS-C de 20,9 megapixels, processador Expeed 5 e sensor de medição RGB de 180k pixels. Essas características vieram da Nikon D500 e são responsáveis pela velocidade da câmera (8 fotos por segundo em um total de 50 fotos em RAW 14 bits).

O ISO vai de 100 a 51.200, possui vedação contra fatores climáticos melhorada, LCD de 3,2 polegadas agora articulado e sensível ao toque. Ela possui 51 pontos de foco (sendo 15 em forma de cruz e o ponto central é sensível até – 3 EV). Bateria nova, mas com duração menor do que a versão anterior.

Ponto negativo é ela só ter entrada para 1 cartão de memória. Desde a D7000 até a D7200 eram duas entradas para cartão SD.

Ponto positivo para vídeos em 4K com 30, 25 ou 24 frames a uma taxa de bits de 144 Mb/s compactado no cartão de memória, mas com saída HDMI para gravação do vídeo bruto. Característica que quer atrair cinegrafistas que já estão trabalhando com o novo formato. Também é possível gravar vídeos em 1080 em até 60 frames e a câmera possui entrada para microfone e saída para fone de ouvido.

Equipada com o sistema sem fio SnapBridge da Nikon, que usa o Bluetooth para a captura remota e para manter uma conexão constante, além de Wi-Fi para transferência de arquivos de grande porte. O NFC já era nesta versão.

Novas fotos do satélite da NASA mostram o brilho das cidades visto do espaço

A NASA lançou esta semana algumas fotos que mostram como as cidades são vista do espaço durante a noite. As imagens são deslumbrantes e apresentam luzes brilhantes em todo o planeta mostrando onde a civilização é encontrada.

Pode parecer besteira, mas imagens de satélite da Terra à noite são publicadas apenas uma ou duas vezes por década, mas os cientistas da NASA estão planejando coletar e atualizar esses pontos de vista anualmente, mensalmente e até diariamente.

Um dos grandes desafios para fazer esse tipo de fotos foi realizar a compensação da luz da lua, que lança diferentes quantidades de luz na Terra durante todo o mês em que as fotos foram feitas. Os cientistas desenvolveram um software que ajudou a selecionar as melhores visualizações a cada mês, combinando imagens para compor esses painéis belíssimos.

O satélite em questão é um modelo meteorológico da Suomi NPP da NASA, que usa um sensor de baixa luminosidade que capta as imagens da Terra às 13h30 e às 1h30 de cada local.

Fotógrafos reagem com indignação foto publicada pela National Geographic

Quer um conselho? Não faça fotos em trilhos de trens.

Não passou nem mesmo um mês depois de um outro incidente trágico envolvendo pessoas (morrendo) nas linhas férreas e a National Geographic está sendo atacada nas redes sociais por postar uma foto de uma mulher parada em trilhos de trem ao pôr-do-sol em sua conta Instagram.

 

Por favor… não faça isso.

Fazer fotos em linha ativas de trem ou colocar seus clientes, amigos ou parentes nos trilhos é ilegal e muito perigoso. Como o Today Show nos lembrou, os trens podem ser silenciosos e nos surpreender facilmente.

Muitos dos seguidores da Nat Geo no Insta ficaram preocupados com os riscos envolvidos e se manifestaram com comentários negativos na postagem, enquanto outros tantos aprovaram a foto gerando mais de 485.000 likes.

Independentemente das circunstâncias que cercam esta foto particular, não se pode negar o perigo envolvido. Todo mês temos uma notícia de alguém que morreu ou se machucou ao tentar fazer uma selfie proibidona, por isso não se arrisque em vão.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.